Seis Estapas para a Adoção de Software Livre em Sua Organização

Você está se questionando sobre como adotar Linux ou software livre em sua organização, mas não sabe como começar? A NonProfit Open Source Initiative (NOSI) criou este guia para ajudar a tomar uma decisão bem informada sobre como as organizações podem fazer a opção.

Aqui, NOSI desenvolveu seis medidas que você pode adotar para começar a colocar software livre para funcionar em sua organização, e no processo, aprender mais sobre ele, suas capacidades e sua rentabilidade.

Etapa 1: Hospedagem virtual

É muito comum para pequenas e médias organizações sem fins lucrativos adquirirem uma conta de hospedagem para e-mail e sítio na internet em um provedor de hospedagem virtual externo, isto porque a hospedagem externa (também chamado de hospedagem virtual) exige menos apoio e é menos dispendioso.

Há muitos provedores de hospedagem virtuais e, em sua maioria, utilizam um sistema operacional de código-fonte aberto, Linux ou BSD (outra variante de código-fonte aberto). Eles usam estes porque são mais rentáveis e estáveis, e é mais fácil de administrar muitas máquinas com menos pessoal do que usando o Windows.

Se você já está usando uma hospedagem virtual para seu sítio, e não solicitou especificamente para o Windows, então você muito provavelmente já está usando os sistemas operacionais de código-fonte aberto Linux ou BSD, e o provedor usado certamente é o Apache. Você também provavelmente teve acesso ao desenvolvimento de aplicação em código-fonte aberto usando as línguas bastante populares PHP e Perl, e MySQL para o sistema de banco. Assim, você já tem experiência com Sistema de código-fonte Aberto, usando ele diariamente, como visto na etapa 1.

A etapa 5 do presente artigo irá explorar mais sobre como fazê-lo manualmente.

Etapa 2: BR Office e Mozilla

Processamento de texto, e-mail, navegação na Web e planilhas são os principais programas usados por membros de organizações sem fins lucrativos. Felizmente, todos os programas de software proprietário normalmente usados para executar essas funções possuem alternativas desenvolvidas em código-fonte aberto que sejam executados em plataformas Macintosh e Windows, além do Linux.

Você pode baixar e instalar tanto o BR Office (http://www.broffice.org/) como o Mozilla (http://br.mozdev.org). O BR Office é um conjunto de ferramentas completo para o desempenho de atividades de escritório, que pode ler e escrever arquivos do Microsoft Office (.doc, .xls e .ppt), enquanto que o Mozilla oferece programas de código-fonte aberto para o Firefox e Thunderbird que são navegadores da Web, e-mail, IRC e editor de HTML. Todos esses pacotes de software são instalados facilmente. São fáceis de experimentar e avaliar. Por que não experimentar com seus membros?

Etapa 3: Pequena avaliação em sua máquina

Já que alguns dos seus colaboradores estão utilizando/ testando os programas mencionados na etapa 2, por que não experimentar a instalação do Linux em uma estação de trabalho extra na sua rede interna? Além de fornecer os programas mencionados na etapa 2, o Linux vem com muitos outros aplicativos de produtividade e multimídia.

Para avaliar o uso do Linux, você pode instalar o sistema operacional em um computador antigo (preferencialmente com um processador Pentium de 400 MHz ou superior). Para uma listagem completa das distribuições, seus recursos, custo de licenciamento e outras informações, visite a página do Wikipédia que aborda o Linux: http://pt.wikipedia.org/wiki/Linux.

Adquirir e experimentar diferentes distribuições te dará uma idéia de como usá-lo no seu computador, e te apresentará uma ampla gama de pacotes de programas que vêm com o sistema operacional, para você testar. É uma boa forma para entender como o Linux funciona. Além disso, há várias maneiras (ver lista, abaixo) para usar os softwares desenvolvidos para Windows em uma interface Linux, quando necessário.

Uma nota de segurança: não colocar esse teste desktop Linux em um endereço público estático de IP sem NAT, ou sem estar protegido por um firewall (falar para o seu membro do pessoal técnico ou consultor se você tiver um). Embora geralmente considerado mais seguro que o Windows, como qualquer computador que colocar em sua rede, você precisa estar consciente de como fazer para ele ficar protegido antes que seja aberto para a Internet.

Etapa 4: Arquivos de rede e servidor de impressão

Uma das maneiras mais fáceis de usar o Linux em um ambiente de rede é usá-lo como um arquivo e como um servidor de impressão, para substituir ou aposentar o servidor de Windows que servia a esta função. (Nota: um servidor dedicado para arquivo/impressão é recomendado em organizações com sete ou mais membro.) SAMBA (http://www.infowester.com/linuxsamba.php) permite ao servidor Linux compartilhar diretórios de rede (pastas) para que possam ser acessados por clientes Windows.

Se você quer usar o Linux como um servidor de impressão, e tiver uma impressora incomum (ou muito nova), recomendamos checar www.linuxprinting.org para se certificar de que o Linux suporta a impressora.

Etapa 5: Hospedagem própria da Web, email e listas de correio eletrônico

Tal como mencionado na seção host virtual, Linux é muito bom para desempenhar funções de servidor de Internet (hospedagem de Web e e-mail, e outras funções de servidor de Internet). Caso você tenha uma conexão DSL com um endereço IP estático (geralmente tem que pagar a mais para obter tal serviço), uma conexão T1, ou de banda larga mais elevada, a hospedagem própria de seu site e e-mail fica muito fácil usando Linux. Você pode usar uma máquina de servidor ou computador antigo para esta função. Novamente, você pode baixar qualquer distribuição de Linux de acordo com sua preferência.

Caso você não queira assumir as responsabilidades e custo de seu servidor de hospedagem, outra opção possível é obter um servidor dedicado Linux de um dos muitos provedores de hospedagem existentes. Com este tipo de servidor, você pode instalar qualquer software livre especializado que deseja usar em sua organização.

Ao contrário de servidores do Windows, o Linux vem com todas as funções necessárias para um servidor, e não há licenças individuais (os servidores Windows vêm com serviços de informação de Internet--IIS--servidor da Web do Windows que não possui taxas de licença adicional, mas todos os softwares adicionais do servidor, como e-mail, têm custos adicionais). Ao contrário do Microsoft Exchange, que é pago, o Linux lhe permitirá ter endereços de e-mail ilimitado sem custos adicionais de licenciamento. Há um número de servidores de email que estão disponíveis, incluindo sendmail, Postfix, exim. O Linux também vem com Apache, o servidor de Web mais popular.

Listas de e-mail (listas de discussão, periódicos eletrônicos, apelos para angariação de fundos) tornaram-se cada vez mais importantes para organizações sem fins lucrativos. Há uma série de sistemas operacionais gestores de listas de e-mails para Linux/UNIX, com uma ampla variedade de funcionalidades e facilidade de uso. Provavelmente um dos mais populares e mais fáceis de usar é um programa chamado mailman. Outros incluem Majordomo, sympa, SmartList e EZLMM.

Etapa 6: mudança para um serviço com todos os recursos em código-fonte aberto.

Há uma variedade de outras ferramentas de código-fonte aberto que pode permitir que você mude para um escritório inteiramente “open-source”.

Servidores de banco de dados

Existem dois servidores de banco de dados que são freqüentemente utilizados em ambientes de Linux/UNIX (e ambos foram configurados para utilização no Windows): MySQL e PostgreSQL. Ambos são populares, embora o MySQL seja mais popular. Eles podem ser usados para qualquer função básica de um banco de dados (DBMS) da mesma forma que o MS SQL server (ou mesmo Oracle) podem ser usados. MySQL é mais frequentemente utilizado para bancos de dados baseados na Web, e PostgreSQL é considerado uma possível substituição para Oracle, devido ao fato de ser completo e robusto. Tanto podem ser usados como back ends via ODBC, com o Microsoft Access servindo como front-end  GUI (interface gráfica de usuário).

 

Softwares para servidores

Tarefa

Opções de proprietário

Alternativa de Software com código-fonte aberto

Comentários

Compartilhamento de arquivos

Microsoft Windows 2003 Server

Samba running on Linux or BSD

Samba é bem maturo e robusto.

Servidor de e-mail

Microsoft Exchange Server, Lotus Notes

Sendmail, Postfix, Exim, SuSE OpenExchange

 

Servidor de Web

Microsoft IIS

Apache

Apache é o servidor mais popular da Web
Servidor de base de dados

Microsoft SQL Server, Oracle

PostgreSQL, MySQL

Os dois projetos são bem robustos e cheios de recursos. Podem ser executados tanto no Windows, quanto no Linux/BSD.

Softwares para desktop

Tarefa

Proprietário Código fonte Comentários
Pacote Office   MS Office, Corel Word Perfect Office

Open Office, Koffice, Abiword, Gnumeric

Gnumeric é comparável ao excel.

Financeiro

Quickbooks, Blackbaud, Peachtree

GNUCash, SQL-Ledger, Appgen

GNUCash não é um software completo, mas pode ser adequado para pequenas organizações sem fins lucrativos. SQL-Ledger é um pacote maduro o bastante até para organizações maiores.

Web Design

Front Page, Dreamweaver

Open Office, Bluefish, Mozilla, Quanta

No conjunto, as alternativas com o código-fonte aberto produzem uma linguagem HTML muito mais clara, e são muito mais fáceis de usar. Em compensação, não são tão completas em termos de recursos disponíveis.

Gráficos/Desktop Publishing

Photoshop, Indesign, Quark

The Gimp, Scribus

 
Captação de recursos/ Contact Management

Raiser's Edge, Paradigm

Ebase for Mac or Windows, Organizers' Database (ODB) for Windows

Ebase e ODB possuem código-fonte aberto, mas estão vinculados a formatos proprietários de back-end (filemaker e Access).

Gestão de projetos

Visio, MS Project

MrProject